MENU

LOGIN

Notícias

14 August 2017

Confederação do Turismo apela à responsabilidade dos inspetores do SEF com greve marcada para 24 e 25 de agosto

A Confederação do Turismo Português (CTP) apelou hoje à "responsabilidade e ao entendimento" dos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que estarão em greve de 48 horas em agosto, para "evitar os efeitos negativos" para os passageiros. A 04 de agosto, os inspetores do SEF entregaram um pré-aviso de greve para os dias 24 e 25 de agosto em protesto contra a ausência de respostas do Governo às dificuldades do setor e, em comunicado hoje emitido, a CTP dirige-se a estes inspetores apelando para que esta paralisação não penalize os passageiros. Citado na nota, o presidente da CTP, Francisco Calheiros, reconhece que "o SEF é essencial ao funcionamento e à qualidade de prestação do serviço de acolhimento de passageiros nos aeroportos e à segurança nacional" e antecipa que esta greve, que acontece em época alta, "vai com certeza causar grandes transtornos na principal porta de entrada dos turistas em Portugal". "É nesse sentido que faço votos de entendimento entre todas as partes envolvidas, de forma a podermos dar a melhor resposta a todos os passageiros que, nesses dias, passarem pelos aeroportos portugueses", refere ainda Francisco Calheiros. Sublinhando que "não discute os argumentos que estão na origem" desta greve e que "apenas manifesta a sua preocupação com os efeitos" que terá, a CTP defende que, ainda que o direito à greve esteja constitucionalmente previsto, "não é um direito que possa ser tido como absoluto, tendo necessariamente de se conciliar com outros fundamentais, também eles constitucionalmente consagrados". O pré-aviso de greve apresentado pelo Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF (SCIF/SEF) estende-se a todos os locais de trabalho, entre as 00:00 do dia 24 de agosto e as 24:00 do dia 25. Na origem da greve está "a ausência de respostas concretas por parte da ministra da Administração Interna face às dificuldades públicas que afetam o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, nomeadamente em relação à admissão de recursos humanos e capacitação operacional do SEF". O sindicato que representa os inspetores do SEF já tinha ameaçado a 25 de julho realizar uma greve caso a ministra da Administração Interna não respondesse, até ao final do mês do julho, às principais reivindicações destes profissionais. Os inspetores do SEF exigem o início das negociações da lei orgânica e estatuto profissional, abertura de concurso externo de admissão de novos funcionários e avaliação dos elementos da carreira de investigação e fiscalização do SEF para que sejam concretizadas as promoções e progressões com previsão no próximo Orçamento do Estado, além da finalização do regime de piquete e prevenção e ausência de investimento em meios materiais considerados imprescindíveis. in TSF online

Ler mais
thumbnail
07 August 2017

Portugal vai ter mais 8000 quartos até 2018

O novo hotel de cinco estrelas vai abrir já no final do mês, ocupa um quarteirão inteiro no histórico bairro do Cais do Sodré, mas permanece um dos segredos mais bem guardados em Lisboa. Propriedade de uma família portuguesa, o Hotel Corpo Santo envolveu investimentos de €20 milhões, tem 79 quartos e suítes distribuídos por cinco pisos, e a sua obra, onde se reabilitaram três edifícios inteiros, foi condicionada por inúmeros achados arqueológicos — incluindo 32 metros de muralha fernandina — que vão ficar expostos numa área própria do hotel.     “Foi uma surpresa descobrir tanta peça arqueológica e com tanto valor, mas no fundo será isto que nos diferencia, pois vamos disponibilizar às pessoas uma parte da nossa história, que estava escondida, e com um espaço vivo para poderem apreciar ou tirar selfies”, adianta Pedro Pinto, diretor do Hotel Corpo Santo e recém-saído do Altis Belém, onde tinha idênticas funções. O hotel vai ter diárias médias de €250, e mesmo antes da abertura já está com as reservas em alta, prevendo ocupações anuais da ordem dos 20%. “Estamos no centro da cidade, que está numa expansão brutal ao nível de preços. E apesar de todo o serviço, é um hotel descomplexado face aos tradicionais cinco estrelas, e foi todo pensado para o cliente se sentir em casa e ter uma vivência própria de Lisboa, tendo aqui ao lado a Praça do Comércio ou o Mercado da Ribeira”.     O salto de grandes hotéis em 2018     À semelhança do Hotel Corpo Santo, multiplicam-se os casos de hotéis que estão a nascer em Portugal por iniciativa de investidores privados, somando-se aos projetos de grupos hoteleiros consolidados, como Pestana, Vila Galé, Sana ou Hoti, também eles de olho no crescimento turístico e em fase de expansão do portefólio.     Segundo a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), em 2017 e 2018 irão abrir as portas 83 hotéis no país, envolvendo “construção nova ou reabilitação”, e em cima de um ano profícuo neste campo como foi 2016, em que abriram 33 hotéis. Frisando que a lista “não é exaustiva” e resulta de uma análise feita pela associação, Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, adianta que os 41 hotéis previstos para abrir em 2017 irão trazer um acréscimo de 3 mil quartos, e “quando olhamos 2018, em que se preveem 42 novas unidades, já estamos a falar de mais 4600 quartos, o que é brutal”. Tendo em conta as ampliações de unidades no âmbito de projetos de remodelação que também estão a avançar a ritmo acelerado (ver texto ao lado), facilmente se pode falar, e contas feitas por baixo, de mais 8 mil quartos de hotel em Portugal até ao final de 2018.     “É um verdadeiro batalhão de quartos que vai brotar no país, e se 2017 ainda é um pouco o tempo das pequenas unidades, 2018 já será o salto para os grandes hotéis”, salienta Cristina Siza Vieira. “Analisando a dimensão média dos hotéis que estão para abrir, em 2017 anda em torno dos 70 quartos por unidade, mas em 2018 já é quase o dobro, passando para 122 a 130 quartos por unidade.”     A maioria dos novos hotéis serão de quatro estrelas, destacando-se ainda 11 de cinco estrelas esperados em 2018. “O investimento não é cego, e daí o interesse dos investidores por hotéis de quatro estrelas, que são os que apresentaram a melhor performance em termos operacionais e resultados consolidados em 2016 e 2017”, refere a presidente executiva da AHP.     Dos 83 hotéis que estão para abrir até finais de 2018, quase 40% são em Lisboa, a par de 19 na região Porto e Norte, 15 na zona Centro, 7 na Madeira ou 6 no Algarve (onde esta semana foi lançada a primeira pedra do complexo turístico Quinta da Ombria, no concelho de Loulé). Em 2017, já abriram 15 hotéis no país. “Vão nascer muitos hotéis, e mesmo que a procura cresça isto vai trazer desafios ao nível da capacidade de carga, pois estamos a falar sobretudo de Lisboa e do Porto, e de oferta nova no centro das cidades”, frisa Cristina Siza Vieira.     Investidores de olho na Baixa de Lisboa     A zona da Baixa lisboeta é particularmente disputada para investimento hoteleiro. O destaque aqui vai para a cadeia My Story Hotels, cujo principal acionista é o dono das sapatarias Seaside, Acácio Teixeira, que tem projetos em curso no sentido de abrir 330 novos quartos em Lisboa, envolvendo investimentos globais de €50 milhões, e tudo em edifícios reabilitados. Já com hotéis no Rossio e na Rua do Ouro, a My Story Hotels vai abrir mais quatro na Baixa entre este ano e o próximo: o primeiro será o My Story Hotel Tejo no Poço do Borratém (com a ampliação do Hotel Lisboa Tejo em mais 75 quartos) em dezembro, seguindo-se dois hotéis na Rua Augusta e na Praça da Figueira no primeiro semestre de 2018, e um segundo hotel na Rua do Ouro também no próximo ano.     “Dentro da Baixa, gostamos de ter hotéis muito bem localizados em ruas principais ou praças. O conceito passa por manter o património destes prédios e contando as histórias do que aqui aconteceu, dando ao turista uma vivência real do que é Lisboa”, adianta Manuel Goes, diretor da rede.     Para 2019 prevê-se uma nova remessa, com a My Story Hotels já a projetar um segundo hotel na Praça da Figueira, no prédio que era da loja JAO. “Estamos também a desenvolver um projeto junto ao aeroporto, no Prior Velho, no edifício que era a sede da Seaside”, adianta Manuel Goes, frisando que a expansão tem assentado “na reabilitação de imobiliário, e estes prédios na Baixa foram comprados na altura certa”. Sobre futuros projetos, avança que “havemos de chegar fora de Lisboa e faria todo o sentido irmos para o Porto, mas o metro quadrado lá subiu em flecha e não fazemos loucuras”. Na mira da My Story Hotels estão também “Madeira, Algarve e talvez Açores, além de cidades como Évora ou Coimbra. A ideia é ter sempre prédios bem localizados e tendencialmente para reabilitação”.     Em expansão acelerada está também o grupo Turim, dos irmãos Ricardo, Pedro e Rita Martins, que tem obras a decorrer para seis novos hotéis. Já com 10 hotéis em Lisboa, o grupo vai abrir em 2018 um cinco estrelas na Avenida da Liberdade, o Turim Boulevard, além de um hotel na Avenida da República em 2019. Em obras estão também os novos hotéis em Sintra (o Turim Sintra Palace com cinco estrelas, reabilitando o Palácio da Casa das Gandarinhas), e no Funchal (o antigo Hotel Santa Maria no centro histórico, encerrado há dez anos) para abrir em 2018. Contando com o hotel do Porto, que está em construção na Avenida dos Aliados e vai abrir em 2019, os investimentos da Turim ascendem a €70 milhões.     “Também vamos alargar a oferta em Lisboa dos atuais 1000 para 1500 quartos com ampliações dos hotéis existentes”, adianta Ricardo Martins, presidente da Turim. “Não pretendemos ficar por aqui. O Porto é uma cidade que nos fascina, queremos ter lá um segundo hotel e já andamos a ver oportunidades”. Segundo dados da Câmara do Porto avançados ao Expresso, deram entrada este ano cinco processos para reabilitação de unidades hoteleiras, tendo sido já emitidos 14 alvarás para início de construção.     Assumindo uma “aposta forte em Portugal e para levar turismo ao interior”, o grupo Vila Galé está atualmente a construir novos hotéis em localizações tão diversas como Porto, Sintra, Braga, Elvas ou Manteigas. “Estamos a viver uma fase de forte crescimento do grupo, com seis hotéis em curso”, salienta Gonçalo Rebelo de Almeida, administrador do grupo.     Já em setembro, a Vila Galé vai abrir no Porto o hotel de charme na zona da Ribeira com 60 quartos, decorrendo “a bom ritmo” a obra do hotel em Sintra, para inaugurar em abril de 2018. O grupo está a reabilitar o antigo Hospital de São Marcos em Braga, que irá resultar num hotel com 127 quartos, dois restaurantes, sala de convenções e Spa, a abrir em maio de 2018, e iniciou em julho a obra do hotel em Elvas no Convento de São Paulo (concessionado pelo programa Revive), cuja inauguração está prevista para dezembro de 2018 — estando também a dar gás ao projeto da serra da Estrela, para o hotel poder abrir em Manteigas em novembro de 2017.   in Expresso, por Conceição Antunes e Marisa Antunes

Ler mais
thumbnail
04 August 2017

“AHP Hotel Academy” é a nova área de formação para a hotelaria

A AHP – Associação da Hotelaria de Portugal lançou, esta semana, a nova área de formação para a hotelaria “AHP Hotel Academy”. Um programa de formação gratuita para todos os colaboradores de hotéis associados da AHP nas regiões Norte, Centro e Alentejo. O “AHP Hotel Academy”é um programa de formação modular, que irá decorrer de agosto de 2017 a junho de 2018, constituído por cursos de 25 ou 50 horas e que abrange áreas de formação como Línguas, Comportamental e Operação Hoteleira. O programa permite aos colaboradores dos hotéis associados da AHP nas referidas regiões realizar, em horário pós-laboral, formação certificada que lhes dará créditos para aumentar as suas habilitações literárias e que conta para as 35 horas de formação anual obrigatória. O arranque da formação “AHP Hotel Academy”está previsto para a próxima semana, com os cursos intensivos de língua francesa, nível inicial (25 horas), agendados para o Porto a 8 de agosto ( https://goo.gl/g1s5SH ), Aveiro a 9 de agosto ( https://goo.gl/WMnNTc ) e Évora a 10 de agosto ( https://goo.gl/Bh6SHP ). Segundo Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, “um dos grandes desafios da AHP tem sido a qualificação de recursos humanos na hotelaria. Este programa, tal como acontece com o Formação-ação ‘Melhor Hotelaria 2020’, tem como objetivo preparar melhores profissionais através da formação contínua. A escolha do curso de língua francesa como arranque do programa não foi ao acaso, os turistas franceses têm aumentado de ano para ano e representam já uma quota de 12% nas dormidas em Portugal, sendo o terceiro mercado para a hotelaria. No entanto, são ainda poucos os colaboradores de unidades hoteleiras fluentes nesta língua e chegam-nos muitas manifestações de interesse.” O “AHP Hotel Academy” é um projeto de Formação Modular, organizado sob a forma de Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD), constantes dos Referenciais de Formação do catálogo Nacional de Qualificações, apoiado pelo Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, Portugal 2020 e Fundo Social Europeu. in viajarmagazine.com.pt, por Francisco Duarte

Ler mais
31 July 2017

Baixa do Funchal vai ter wifi gratuito

O investimento global está orçado em 75 mil euros, com o Turismo de Portugal a assegurar a maior fatia, 50 mil euros. A candidatura da autarquia do Funchal foi aprovada pelo TP no âmbito da Linha de Apoio à Disponibilização de Redes Wifi em Centros Históricos. De acordo com informações veiculadas pela autarquia do Funchal, o projecto prevê a instalação de redes wifi nos principais pontos da baixa da cidade, nomeadamente na Avenida Arriaga e na Avenida do Mar, junto ao Jardim Municipal e ao Teatro Municipal Baltazar Dias, e ainda junto à Igreja da Sé e a vários espaços comerciais. Fazer do Funchal uma “cidade mais inteligente” é o objectivo do projecto a que não será alheio o facto de a capital madeirense ter promovido, em Maio deste ano, o primeiro Congresso Internacional sobre Smart Cities, com incidência no Smart Tourism. A propósito, Paulo Cafôfo, presidente da Câmara Municipal do Funchal, sublinhou que a autarquia está apostada em investir cada vez mais “nas novas tecnologias de informação e comunicação e na modernização administrativa, como ferramentas determinantes para a melhoria da qualidade de vida e para o futuro da população”. Refira-se que a instalação de uma rede wifi nos núcleos históricos da cidade foi uma das propostas vencedoras da segunda edição do Orçamento Participativo do Funchal.   in Turisver, por Fernanda Ramos

Ler mais
A exibir 1-4 de 82 itens.